sábado, 11 de fevereiro de 2017

Senado deve aprovar realização de vaquejadas e rodeios na próxima terça-feira


O Plenário do Senado deve votar na terça-feira (14), em primeiro turno,  a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 50/2016) que permite a realização das vaquejadas e dos rodeios. Na última quinta-feira (9) o Plenário encerrou a discussão em primeiro turno da PEC.
Segundo o presidente do Senado, Eunício de Oliveira, a expectativa é que o senado aprove a PEC na terça-feira. Ele ressaltou ainda trata-se de uma cultura nordestina que emprega mais de 700 mil pessoas e que, além de cuidar da questão de bons tratos aos animais, a proposta cuida da geração de empregos e rendas para uma região pobre afetada pela seca.
Eunício disse ainda que tem convicção de que a vaquejada gera emprego e renda e que é bom para um país que está em recessão e que tem quase 13 milhões de desempregados.
Se aprovada, a PEC reverterá decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) contra as vaquejadas, de outubro de 2016. No julgamento de ação do Ministério Público contra a lei que regulamenta as vaquejadas no Ceará, o relator no Supremo, ministro Marco Aurélio, considerou haver “crueldade intrínseca” contra os animais.
A PEC 50 prevê que não serão consideradas cruéis as práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais previstas na Constituição e registradas como integrantes do patrimônio cultural brasileiro. A condição para isso é que sejam regulamentadas em lei específica que garanta o bem-estar dos animais.

Agência Senado 

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Empresa oferece diaristas naturistas a R$260 a hora


Naturist Cleaners/ReproduçãoA empresa Naturist Cleaners tem a proposta de recrutar diaristas para trabalharem por hora em casas particulares vestidas somente com luvas e chinelos. A agência instalada no Reino Unido, foi criada por Laura Smith, antiga diarista. O serviço custa 65 libras (R$260) a primeira hora e 55 libras (R$223) nas seguintes. Além das diaristas nuas, oferecem as vestidas para exercer o trabalho. Nesse caso, é cobrado menos da metade do preço normal e o cliente pode ou não estar nu enquanto elas trabalham.

A ideia de Laura veio quando um cliente naturista a indagou se poderia ficar nu enquanto ela trabalhava. Ela aceitou a experiência que despertou o interesse pelo naturalismo. Em entrevista ao El País, explicou como começou a pesquisar sobre o assunto. “Vi que era uma comunidade grande, internacional e muito interessante. Porque teriam de se vestir enquanto lhes limpavam a casa? Depois, pensei que seria interessante que a pessoa que limpa pudesse estar nua também”, relata.
Embora só exista fotos de mulheres na divulgação do site, homens também podem trabalhar como diaristas. Laura garante que na hora da contratação do serviço tudo é muito bem explicado e as proteções são claras. Não é oferecido qualquer outro tipo de serviço relacionado à nudez. “O preço é bem mais alto que o de uma limpadora convencional. Desse modo tentamos evitar que as pessoas experimentem por diversão. Queremos clientes que compreendam a ideia do naturismo. De todo modo, treinamos as diaristas para detectarem perigos quando chegam na casa, antes de ficarem nuas”, explica a estratégia.

Fonte:curiosamente.diariodepernambuco.com.br

domingo, 29 de janeiro de 2017

Casal transforma carroça de burro em charrete para ir a casamento na PB

Na manhã deste sábado (28), a cidade de Ibiara, localizada no Vale do Piancó, na Paraíba, parou para ver Maria Galdino, de 47 anos, e Francisco Pereira, de 37, chegarem no casamento em uma carroça transformada em charrete. Receberam ajuda dos amigos e da família e enfeitaram a carroça com tecidos brancos e corações vermelhos para realizar uma sonho antigo de Maria, conhecida na cidade por Zóbela, por ser dona de um par de olhos azuis.

Juntos há dez anos, o sonho dos noivos era trocar as alianças no altar e firmar uma união escolhida por eles. “Eu queria casar e queria ir nessa charrete, e meu noivo concordou”, contou Maria.
A felicidade de Zóbela fica escancarada na sua voz. O sonho de chegar em cima de uma charrete foi incentivado pela mãe, que dizia que, antigamente, as pessoas se casavam dessa forma. “Então eu disse que no meu casamento eu queria ir de charrete”, disse Zóbela. E realizou. Marcou o dia 28 de janeiro de 2016 como o dia mais feliz da sua vida.

Atração na cidade

A cidade de Ibiara parou. Quem passava de carro, estacionava para ver. Chegavam na praça pública do município e, alí mesmo, admiravam a passagem da noiva, que decidiu trajar um vestido vermelho em homenagem ao coração de Jesus.
O momento, para Maria Galdino, é para ficar na história da sua vida e da sua cidade, onde nasceu, cresceu e, agora, casou. “Foi muito bom, muita emoção, fiquei muito emocionada, eu tô me tremendo de tanta emoção. Foi um sonho que eu realizei”, declarou.
A cidade Ibiara tem pouco mais de seis mil habitantes, um município suficientemente pequeno para que todos conhecessem e admirassem a simplicidade e alegria de Maria Galdino e Francisco, que desfilavam sorridentes na carroça transformada em charrete. “Todos falavam que iam estar no meio da rua me filmando, porque meu casamento ia ser o casamento do ano, eu fechei minha cidade hoje”, falou orgulhosa.
E, por fim, chegou o momento mais esperado. Casamento encerrado, alianças nos dedos, corações interligados e o sonho realizado. Era o momento de sair da igreja para a festa. Os dois subiram na charrete improvisada e seguiram em direção à comemoração. Na parte de trás da charrete, o barulho das latinhas anunciavam a saída dos noivos e um novo futuro adiante.

G1

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Dona de casa quer recuperar rádio roubado



ed rose borges tv morena
O velho e bom companheiro da dona de casa Rosa Ferreira, uma réplica do rádio da marca SEMP, da década de 1960, foi roubado no dia 18 de janeiro, quando ela saiu de casa para ir até o posto de saúde. O aparelho foi visto pela última vez no armário da cozinha. Dona Rosa, de 73 anos, mora na mesma casa há 42 anos, no bairro Guanandi, em Campo Grande (MS), e nunca passou por situação semelhante antes.
“Tiraram um pedaço de mim”, conta, emocionada. O aparelho foi presente da filha Rose Borges Ferreira, que, antes de comprá-lo, pesquisou na internet um modelo parecido com o rádio que a mãe tivera na infância.
Ao ver a tristeza da mãe, Rose resolveu postar a história nas redes sociais e comoveu centenas de pessoas que já ligaram para a família oferecendo um aparelho novo. “Um rapaz de Recife ligou dizendo que daria outro rádio, o Sindicato dos Radialistas também ofereceu ajuda e até moradores da cidade disseram que dariam outro rádio de presente. Mas ela quer aquele aparelho que roubaram, pelo valor sentimental que o rádio representa na vida da minha mãe”, afirma Rose.
Enquanto aguarda notícias sobre o paradeiro do rádio, dona Rosa desabafa: “Era meu companheiro enquanto arrumava a casa, fazia comida e lavava roupas. Eu gosto de ouvir a Rádio Imaculada, pois faz orações, e adoro ouvir música sertaneja. Quando eu era jovem, a gente reunia uma turma de amigos e ficava ouvindo música. Sinto falta do meu rádio, porque ele me traz boas lembranças daquela época”.
Os ladrões levaram também um espremedor de laranjas da dona de casa.
Foto divulgação 

Fonte:www.abert.org.br